Vale a pena ser Pessoa Jurídica?

CLT, Autônomo ou PJ (ter empresa)?

Empresas fechando, mudanças nas leis trabalhistas, desemprego em alta… Mas a vida continua! É preciso procurar por novas soluções, afinal, a vida não pode parar porque as coisas não estão saindo como planejado. Muitas pessoas que perderam seus empregos nos últimos dois anos estão agora em ocupações alternativas, na maioria das vezes de modo informal por falta de opção – ou de conhecimento aprofundado das alternativas. São profissionais de todos os níveis atuando com vendas diretas, prestação de serviços freelance, corretores e até marketing multinível.

Confira a seguir uma comparação que fizemos entre às várias formas de se trabalhar. Conheça melhor as opções para que você possa otimizar seus ganhos.

CLT

Vantagens

Quem trabalha como CLT, em princípio, possui algumas vantagens: o salário certo no fim do mês, 13o salário, férias, vale refeição/alimentação/transporte e, eventualmente, prêmios e bônus.

Desvantagens

Mas, no final, tem uma boa parte de valores descontados no seu holerite além de precisar pagar uma gorda fatia (cerca de 1/3) de todo o seu rendimento na hora de declarar o IRPF. Porém, num período de crise, o salário certo no fim do mês pode acabar atrasando, a empresa pode não ser estável o suficiente. E você ainda estará preso às exigências de trabalho do empregador, seus horários e dificilmente poderá atender a outras empresas com trabalhos extra para estar assegurado caso surjam imprevistos.

O AUTÔNOMO

Vantagens

Uma pessoa que trabalha como autônoma pode não ter tanta estabilidade (que na CLT pode parecer existir), mas tem liberdade para fazer seus horários e, eventualmente, escolher seus clientes e o tipo de trabalho que deseja exercer. Um autônomo que recebe até R$ 2343,66/mês está isento de pagar o IRPF.

Desvantagens

Porém, se ultrapassar este valor (ou o total de R$ 28.123,92 durante o ano) automaticamente passará a ser obrigado a pagar o Imposto de Renda. Isso quer dizer que se esta pessoa faturar R$ 2343,67 por mês, por exemplo, deverá pagar de Imposto de Renda cerca de 30% deste valor. Sem contar outras obrigações como ISS, taxas sindicais e INSS.

PJ (Pessoa Jurídica)*

Ser “Pessoa Jurídica” significa que você terá uma empresa aberta, um CNPJ e poderá emitir notas fiscais (podendo ampliar as oportunidades de negócios). Se você abrir uma empresa que se enquadre no Simples Nacional, pagará algo entre 6% e 12% (apenas), dependendo do faturamento mais 11% de INSS (limitado a R$ 550,00) e a mensalidade do contador (obrigatório para quem tem empresa aberta). O interessante é que se você abrir uma empresa, não precisa pagar o IRPF, porque o desconto já está incluso. Veja o gráfico comparativo abaixo:

Quanto custa ser: Pessoa física - 50% dos ganhos, sendo 27,5% IRPF, 2 a 5% ISS, taxas sindicais e 20% INSS); Pessoa Jurídica (ter empresa aberta) - de 8% a 20% dos ganhos (DAS - a partir de 6% e INSS - 11%). Percentuais aproximados.

PJfácil possui soluções sob medida para quem precisa emitir poucas notas por mês. Veja como é fácil!

MEI

Vantagens

Apenas o MEI (Microempreendedor Individual) é uma categoria de empresa, individual, que dispensa a obrigatoriedade do contador. Quem opta pelo MEI tem um CNPJ, pode passar notas fiscais e paga um valor fixo mensal de R$ 45,00/mês que cobre todos os impostos e taxas, incluindo a previdência.

Desvantagens

Porém ela é restrita a algumas categorias profissionais e em faturamento. Até o fim de 2017, quem é MEI não pode faturar mais do que R$ 5000,00/mês – a partir de 2018 o teto é R$ 6750,00/mês. E, por dispensar o contador, o seu proprietário precisa estar sempre atento às mudanças de legislação e obrigações. Há uma série de burocracias que precisam ser cumpridas para que o MEI não perca o enquadramento. Por conta de inadimplência ou não cumprimento das regras do programa, mais de 1 milhão de MEIs poderão perder o registro.

PJfácil

Temos opções excelentes para quem precisa emitir poucas notas por mês, que sejam prestadores de serviços e que possam se enquadrar no Simples Nacional. Mesmo que você não tenha empresa aberta ainda, entre em contato conosco que nós poderemos te ajudar! Mande um WhatsApp para 11 9 5000-7000 para mais informações.

Conclusão

Avalie cada situação, todos os prós e contras em relação à sua realidade. Estabeleça seus objetivos para curto, médio e longo prazo. De repente, o que era para ser apenas um paliativo pode se tornar o seu objetivo principal. A partir deste objetivo, verifique em que tipo de situação o seu negócio se enquadra mais adequadamente. E procure um contador para maiores esclarecimentos. Aqui na Libra Contabilidade – que criou o PJfácil – temos quase 40 anos de experiência com profissionais constantemente atualizados. Entre em contato! Ajudaremos você a tomar a melhor decisão. Envie um WhatsApp para 11 9 50007000.

*Observação sobre “ser” PJ:

Importante ressaltar que a lei da terceirização não considera legal o que é chamado de “pjotização”: a contratação de profissionais para trabalho integral, como um funcionário CLT, mas que é obrigado a abrir empresa. Você pode ser um prestador de serviços que atuará por alguns dias em um projeto e atuar simultaneamente em vários projetos de diversos clientes, sem as obrigações de um funcionário CLT. Neste caso é correto que a empresa solicite nota fiscal pelo serviço prestado. E é nesses casos que você pode encontrar mais oportunidades de atuação.

 

2 thoughts on “Vale a pena ser Pessoa Jurídica?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *